domingo, 29 de janeiro de 2012

LIBERTAR


solta-me
da vida
desgruda-me
do solo
com a gentileza
de uma borboleta azul

cuidado
que sou tenro
sou flácido
e plácido
como um caramujo
nu

levo
o rastro das horas
lavo
o resto da história
ainda por contar

descola-me
o ouvido
do chão
e  deixa
o turbilhão
passar

passa o tempo
passo pelo vento
fica só esta
aurora
e o sol
no céu
a navegar
 Cristina DeSouza

2 comentários:

  1. Puxa, muito obrigada, Juliana! É uma honra estar em seu blog. Beijo grande.

    Cris

    ResponderExcluir